Movimento de Defesa do Cemitério da Consolação quer mais segurança

Sonia Racy

31 Outubro 2018 | 00h26

A três dias de Finados, o Movimento de Defesa do Cemitério da Consolação vai à luta. Foi recebido ontem na Câmara paulistana e apresentou as demandas de Consolação, Higienópolis e Pacaembu.

O que querem? Mais segurança com a instalação de câmeras, guardas nas portas e cães de guarda à noite. Um dos argumentos: a taxa de roubo nos cemitérios vizinhos, como o do Carmo e o dos protestantes, é… zero.

Leia mais notas da coluna:
Economia está ‘pronta para uma retomada’, diz Luiz Figueiredo
Doria e Guedes conversam de madrugada