Motim

Sonia Racy

24 de outubro de 2014 | 01h04

Há uma grande insatisfação de minoritários estrangeiros e brasileiros com os novos gestores da OGP, a antiga OGX de Eike Batista. A turma promete fazer barulho para mudar o comando da empresa.

Por quê? Desconfiam que o plano de conversão da dívida de R$ 13,8 bilhões é, na realidade, uma verdadeira rasteira nos acionistas menores. A briga ocorre no Brasil e no exterior. E o alvo é o presidente da OGP, Paulo Narcélio.

Detalhe: Eike é capaz de se aliar aos minoritários.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.