Mostra digital de cinema israelense traz filmes sobre tensões entre povos e o tema LGBT+

Mostra digital de cinema israelense traz filmes sobre tensões entre povos e o tema LGBT+

Paula Bonelli

22 de junho de 2022 | 14h15

O diretor Amos Gitai e a atriz Maisa Adb Elhadi. Foto: Reuters/Tony Gentile

O diretor Amos Gitai e a atriz Maisa Adb Elhadi. Foto: Reuters/Tony Gentile

Uma seleção de filmes contemporâneos que ganhou projeção mundial nos últimos anos será exibida na Mostra de Cinema Israelense pela plataforma Sesc Digital.  O mais recente trabalho do diretor Amos Gitai, “Laila em Haifa”, é destaque do festival. Inédito no Brasil, o longa discute as relações entre judeus e árabes israelenses em Haifa, cidade que abriga as duas etnias.  No pano de fundo, as tensões que atravessam a democracia israelense. A abertura da mostra será com um bate-papo entre Amos Gitai e a jornalista Anita Efraim, com transmissão pelo canal do Instituto Brasil-Israel, no YouTube, na quinta-feira, dia 23.

A programação conta com o filme “Sublocação”, sobre um escritor americano que chega a Israel para escrever e subloca o apartamento de um jovem local. O diretor é Eytan Fox conhecido por abordar no cinema temas LGBTQIA+ com delicadeza e humanidade.

Outro ponto alto da mostra é o curta-metragem “White Eye”, de Tomer Shoshan, que venceu prêmios internacionais e ganhou uma indicação ao Oscar. Conta a história de um homem que encontra sua bicicleta roubada, e que agora pertence a um estranho. O filme provoca reflexões sobre a questão dos refugiados africanos, vivendo em condições precárias e sofrendo discriminação racial.

Entre os dias 24 de junho a 7 de julho, a mostra exibirá de forma online seis títulos, entre longas e curta-metragem. Além de Sesc São Paulo e o Instituto Brasil-Israel, o evento conta com o apoio da Embaixada de Israel e do Consulado Geral de Israel em São Paulo.

Para assistir aos filmes, acesse sescsp.org.br/cinesesc e sescsp.org.br/cinemaemcasa.

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Sesc SPIsraelcinema

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.