Morre Hélio Bicudo, autor do impeachment de Dilma, aos 96 anos

Morre Hélio Bicudo, autor do impeachment de Dilma, aos 96 anos

Sonia Racy

31 Julho 2018 | 11h41

JURISTA HÉLIO BICUDO. FOTO ALEX SILVA/ESTADAO

Texto alterado às 12h30
para atualização de conteúdo

Após meses de complicações cardíacas, morreu no final da manhã desta terça-feira, aos 96 anos, o jurista Hélio Bicudo. Estava em sua casa, nos Jardins — e seus familiares não decidiram ainda o local para o velório. Uma de suas últimas atividades públicas foi participar das manifestações contra Dilma Rousseff, em São Paulo, e preparar, ao lado de Miguel Reale Jr. e Janaina Paschoal, a peça que embasou o pedido de impeachment da então presidente no Congresso.

Um dos primeiros integrantes do PT, e professor de Direito no Largo de S. Francisco, Bicudo foi um importante militante dos direitos humanos desde os anos 70, e se notabilizou pelo combate, naquela época, ao Esquadrão da Morte, que agia em São Paulo.

Em sua carreira passou pela Procuradoria-Geral em SP, foi presidente da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, duas vezes deputado federal e, entre 2001 e 2004, foi vice-prefeito paulistano na gestão de Marta Suplicy. Deixa sete filhos e estava viúvo desde março passado, quando faleceu sua mulher, Déa.

Reale Jr. e Velloso o vêem como
‘exemplo de ética e coragem”

Parceiro de Hélio Bicudo, o ex-ministro e jurista Miguel Reale Jr. vê, no advogado e amigo, um exemplo de defensor incondicional da ética. “Hélio Bicudo era  uma combinação de coragem e espírito público. Lutou contra o Esquadrão da Morte, rejeitou o PT em nome da ética e integrou a equipe que conseguiu o impeachment de Dilma Rousseff em favor da seriedade na condução da coisa pública”. disse à coluna o jurista.

Amigo e admirador, também, da luta de Bicudo, o ex-presidente do STF Carlos Velloso elogiou, em especial, sua coragem. “Hélio Bicudo foi um grande brasileiro. Quando era difícil e perigoso propugnar pela liberdade, ele soube fazê-lo com valentia, pugnando pelo fiel cumprimento das garantias constitucionais. Corajoso, sobretudo ético, deixou o PT quando seus dirigentes desviaram-se da ética. Vai fazer falta”, disse Velloso à coluna.

‘Como promotor, levou adiante 
processos contra Sergio Fleury e outros’

Envolvido também, nas décadas entre 1970 e 1980, na defesa dos direitos humanos, o advogado José Carlos Dias lembra que foi Bicudo quem, designado pelo governador Paulo Egydio (1975-79), instaurou os processos contra o delegado Sérgio Fleury e outros na estrutura da polícia em São Paulo.

À coluna, Dias deixou um depoimento: “Fui amigo e companheiro, dentro da Comissão de Justiça e Paz, do então valente advogado Bicudo. Depois, fui seu advogado no processo contra o secretário da Segurança paulista, Erasmo Dias. Para mim, Bicudo simboliza a luta que foi travada, pelos direitos humanos, tendo como um dos capítulos mais importantes sua luta contra o delegado Erasmo Dias. A marca de Hélio Bicudo foi sua coragem e sua inteligência, sempre a serviço dos mais fracos”. / GABRIEL MANZANO