Mister maker

Mister maker

Sonia Racy

17 de agosto de 2013 | 01h12

Foto: Paulo Giandalia/Estadão

Alon Sochaczewski quer botar fogo na sociedade. Sua F451 (referência a Fahrenheit 451, livro de Ray Bradbury) está trazendo ao País a plataforma de tecnologia Makers – formada por cursos e eventos.

“Queremos um consumidor capaz de fazer seus próprios produtos e, muitas vezes, fabricá-los em casa. Estamos diante de uma Terceira Revolução Industrial”, analisa, referindo-se, principalmente, aos programas abertos de computador e às impressoras 3D, capazes de imprimir todo tipo de coisa, de brinquedos a próteses humanas. O lado ruim? Semana passada, um norte-americano desenhou um rifle no computador e o imprimiu em casa. A arma foi capaz de disparar 14 balas. “Até por isso temos de lutar por um ambiente saudável para a tecnologia”, rebate.

Fenômeno nos EUA, o primeiro evento Makers no Brasil acontece dia 24, no Espaço Apas. Nos próximos, “o novo PIB digital”, curso de impressão 3D e encontro dedicado a pais e filhos, “em que eles poderão criar brinquedos eletrônicos como se brincassem de Lego”, explica Alon.

“Parece coisa de nerd… mas não é!” Será? /DANIEL JAPIASSU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: