Ministro da Educação confirma o fim da TV Escola, diz ator

Ministro da Educação confirma o fim da TV Escola, diz ator

Sonia Racy

10 de janeiro de 2020 | 17h26

Ministro da Educação, Abraham Weintraub. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ator e diretor Carlos Vereza saiu desolado, na tarde desta sexta-feira, de uma reunião com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em Brasília, de quem recebeu a notícia de que o MEC não renovará mesmo o contrato com a Associação de Comunicação Roquette Pinto, a Acerp, responsável pela gestão da TV Escola desde a fundação em 1996.

ATOR CARLOS VEREZA. FOTO: IARA MORSELLI/ESTADÃO

Vereza foi convidado pelo próprio Weintraub para participar da reunião. “Fiz questão de pagar meu voo e meu hotel. Fiz de tudo para convencê-lo mas só ouvi argumentos burocráticos para acabar com uma TV de baixo custo”, contou o ator, que está morando em São Paulo por conta do programa Plano Sequência, no canal público. “Foi dito que o sinal (da TV) seria mantido pelo menos até acabar meu programa. Falta exibir 21 entrevistas. Mas eu, sinceramente, não sei mais”, completou, desolado.

Segundo Vereza, o ministro alegou que o canal custaria, em 5 anos, ao Governo Bolsonaro, R$ 400 milhões. “Não sei se é verdade, mas pelo que sei o custo hoje é 0,06% do orçamento do MEC”. Vereza telefonou imediatamente ao diretor da Acerp, Francisco Campera, pedindo números.

A decisão pode gerar a demissão de cerca de 400 funcionários. E atinge também outros equipamentos culturais, como a Cinemateca, em São Paulo.

Eleitor de Bolsonaro, Vereza disse à coluna que chegou a lembrar do seu apoio ao presidente na reunião. “Falei: Cara, vocês acham que a TV Escola é de esquerda? Então o que é que eu estou fazendo lá? Justo eu que fui ao hospital gravar um vídeo de apoio ao Bolsonaro (após a facada)”. Antes desse episódio, o ator já havia recebido o então candidato Jair Bolsonaro em sua residência, no Rio.

Vereza afirmou que o ministro “foi muito gentil” na reunião, mas disse estar “entristecido” com o presidente Bolsonaro pois, segundo ele, seu governo “não tem investimento nenhum em Cultura”. Votaria nele de novo? “Eu teria que pensar muito. Muito!”.

ESPERANÇA

Procurado pela coluna, Francisco Campera, da Acerp, não quis comentar. Aguarda uma audiência com o ministro da Educação. Ao que apurou o blog, existe, porém, no bastidor, otimismo com a viabilidade da TV Escola, por meio de outras portas semi-abertas no próprio governo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: