Mídia espontânea

Mídia espontânea

Sonia Racy

27 de dezembro de 2015 | 02h05

Iara Morselli/ESTADÃO

Iara Morselli/ESTADÃO

Carol Macea conseguiu enxergar nas mídias sociais uma maneira de gerar marketing criativo sem que as marcas tenham que pagar posts para isso. “Não sou uma agência de publicidade, uso um formato novo, pós-internet, onde gero experiência e sentimento, tornando os posts mais verdadeiros”. Como? “Uso meu mailing para criar ações criativas para as marcas que atendo e assim gerar mídia espontânea.” A moça cita alguns cases de sucesso, como a campanha Cabelo Não É Documento, que fez com os lenços da Scarf Me, e usuárias conhecidas do Instagram, que postaram fotos usando o adereço na cabeça e chamando a atenção para a prevenção do câncer de mama. Na época da Copa do Mundo, Carol criou junto com o spa de cabelos Laces a Copa Moda Laces. “Juntei 5 donas de 5 marcas de moda influentes do mercado e suas amigas para disputarem um jogo de futebol no Jockey. Rendeu muitos posts”, explica a moça. Os planos para 2016? “Acabei de abrir meu escritório – antes atendia como freelancer – e estou aumentando a minha cartela de clientes. Ano que vem vou fazer ações com Guerreiro, Baccardi e Caudalie.” 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: