Parceria de prefeitos faz de Miami e Rio ‘cidades gêmeas’

Parceria de prefeitos faz de Miami e Rio ‘cidades gêmeas’

Sonia Racy

13 de agosto de 2019 | 01h00

MARIO GARNERO (DIR.) E FRANCIS SUAREZ, PREFEITO DE MIAMI. FOTO SONIA RACY/ESTADÃO

 

Desembarcou em São Paulo ontem, com o intuito de costurar parceria com o Rio de Janeiro, Francis Suarez (à esquerda, na foto). Essa colaboração mútua, segundo o prefeito de Miami, foi batizada de “Twin Sisters” e será assinada, amanhã, no Rio, com o prefeito Marcelo Crivella.

A informação foi dada durante almoço em homenagem a Suarez, no Brasilinvest de Mario Garnero (à direita). Do que se trata? “Miami tem muita semelhança com o Rio e tenho certeza de que as duas cidades, juntas, vão costurar e aprofundar uma troca benéfica, incluindo aí uma maneira de incentivar mais turistas americanos a conhecerem a sua gêmea carioca”, contou à coluna Suarez, na sua primeira visita ao País. A violência no Rio não o intimida? “ Olha, meu pai foi prefeito de Miami quando a violência, lá pelos anos 80 e 90, atingia seu auge na cidade. E hoje posso dizer: estamos com o menor índice de assassinatos em 51 anos”, minimiza o prefeito de… 41 anos.

“Vou levar ao Rio algumas ideias e também mostrar serviços de tecnologia que estamos usando nessa área. Dou-lhe um exemplo: se alguém dá um tiro em Miami, por meio de sistema de GPS eu, na minha sala, ouço”.

Conhece a difícil situação vivida atualmente pelo Rio? “Li, mas nunca estive por lá. Só sei que a cidade é linda, alegre e receptiva, como é Miami.” A principal cidade da Florida – a capital, diferentemente do que muitos pensam –, é Tallahassee — não tem problemas de violência e registrou, no ano de 2018… 48 homicídios. Isso significa algo 600 vezes menor se eu comparar com o que aconteceu na gestão de meu pai na prefeitura”, coloca Suarez.

E melhor. O prefeito de Miami se orgulha do crescimento da arrecadação, que chegou a nada menos que 10,5% em 2018. Três vezes mais do que foi registrado nos EUA, que fecharam o mesmo ano com aumento de somente 3%. Brasileiros em Miami? Hoje lá moram 300 mil e o fluxo de turistas é de um milhão por ano. “Vocês são nosso principal visitantes, responsáveis por 11% do movimento total de turistas na cidade.” Atividade que a coloca como terceiro maior destino turístico dos brasileiros, depois de Orlando e Nova York.

O prefeito, entretanto, não dá informações sobre quanto os residentes brasileiros pagam em impostos nem revela o volume de gastos em turismo. Entretanto, na Florida como um todo, segundo seu departamento de promoção turística, os brasileiros deixaram US$ 2,2 bilhões no ano passado.

Leia mais notas da coluna:
+Incontinência verbal de Bolsonaro ‘tem fundo narcísico’, diz analista
+‘Cuidar dos mais vulneráveis é prioridade’, diz diretor do Sírio

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: