Mercado ignora confusões e quer ver reformas aprovadas

Sonia Racy

19 de fevereiro de 2019 | 10h00

JAIR BOLSONARO. FOTO MATEUS BONOMI/AGIF

Não se sabe até quando, mas o mercado financeiro vem deixando de lado a confusão política instalada com o caso Bebianno e se concentrando na reforma da Previdência. “O mercado não quer entender o que está acontecendo e sim apreender como funciona Bolsonaro e ter clareza da real possibilidade da aprovação da reforma”, analisou ontem um conhecido banqueiro.

Para ele, a situação hoje mostra claro divisor de águas. “Se a reforma passar, todas as confusões políticas serão perdoadas pelo mercado. Se não passar, não vai adiantar corrigir o rumo político”, sentencia.

É ela que vai garantir a sustentabilidade real do crescimento da economia.

‘Casa dividida 
não se sustenta’

Outro integrante do sistema financeiro, com longa experiência, não vê a situação de maneira tão binária. Lembra que “casa dividida não se sustenta”, que a Presidência da República “requer outra liturgia que não a da informalidade” e que, se a situação chegar a afetar o comportamento das agências de rating, a coisa pode se complicar. “Voltamos a uma situação curtoprazista”, acredita.

Terceiro banqueiro, tradicionalmente cauteloso, evita fazer qualquer previsão. Quer… ver para crer.

Leia mais notas da coluna:
Maitê se associa a empresa de cosméticos sustentáveis
Prefeito começa visitas de surpresa a subprefeituras

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.