General Joaquim Silva e Luna terá que escolher interino antes de assumir Petrobrás

General Joaquim Silva e Luna terá que escolher interino antes de assumir Petrobrás

Sonia Racy

27 de fevereiro de 2021 | 00h50

General Joaquim Luna e Silva no centro. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O mercado financeiro presta atenção para sentir para qual lado vai a governança da Petrobrás. O general Joaquim Silva e Luna terá que escolher, entre os atuais diretores executivos, quem comandará a Petrobrás até que seu nome seja ratificado. A Assembleia Geral Extraordinária foi convocada no último dia 23, mas não tem data definida. E pela lei das SA, isso tem que ser feito 30 dias antes da reunião.

Os mandatos do presidente e diretoria acabam dia 20.

Me dê motivos

Duas surpresas desta semana no conselho da Petrobrás: o voto de Marcelo Mesquita, conselheiro independente, se posicionando a favor da troca de comando na estatal. E o voto contra, de João Cox, conselheiro escolhido pelo governo.

Coisa da direita…

A impetuosidade de Bolsonaro em tirar Castello Branco da Petrobrás tem paralelo na história das estatais.

Também por se sentir desrespeitado por Roger Agnelli, Lula o tirou da presidência da empresa que, como a Petrobrás hoje, ia muitíssimo bem obrigado.

…e da esquerda

Bom, ao menos nesse caso, Lula não se sentiu tentado a monitorar preço dos metais.

Na espera

A Petrobrás aguarda resposta do Ministério de Minas e Energia sobre a acusação feita por Bolsonaro: de que havia “muita coisa errada” na estatal.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.