Melhor do pior

Redação

16 de maio de 2009 | 06h00

Havia outra opção na mesa do Ministério da Fazenda sobre o que fazer com a poupança. De novo, ninguém mexeria na renda do poupador com depósitos abaixo de R$ 50 mil. Mas os outros seriam remunerados com fórmula atrelada a taxa Selic.

Em outras palavras, a poupança para quem tem mais de R$ 50 mil aplicados não seria mais a “poupança” que se conhece, a não ser pelo fato de ser isenta de imposto de renda.

Veja também:
documentoOutras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.