Meio ministro

Sonia Racy

01 Agosto 2015 | 01h11

Uma decisão por sorteio, a do desembargador Newton Trisotto, para relator da Lava Jato no STJ está causando incômodo a alguns ministros da corte. Trisotto é um interino, e há quem entenda – a começar por Luis Felipe Salomão– que o caso é importante demais e não convém que fique nas mãos de alguém que está ali de passagem. O melhor seria acabar com os interinatos.

E por que eles existem? Foram a saída encontrada diante da demora de Dilma em preencher as vagas.

Meio ministro 2

Trisotto, convocado em 2014, fica no posto até que Dilma aponte o titular entre Marcelo Navarro, Joel Pachiornik e Fernando Quadros. Ele tem referendado, na prática, todas as decisões de Sergio Moro. Entre outras, negou dois habeas corpus – a Renato Duque e a Agenor Medeiros, da OAS.