Medida contra TV Escola pode fechar Cinemateca

Sonia Racy

20 de dezembro de 2019 | 01h15

 

CINEMATECA BRASILEIRA.FOTO: SERGIO CASTRO/ESTADÃO.

 

A Cinemateca Brasileira corre o risco de ter de fechar as portas com a decisão do MEC de encerrar o contrato com a Associação Roquette Pinto, a Acerp, que detém a TV Escola. “Eles estão atônitos”, disse à coluna Carlos Vereza, que lá estreou, anteontem, o programa Plano Sequência, no qual conta a história do cinema brasileiro.

Eleitor de Bolsonaro no ano passado, Vereza chamou de “absurda” a decisão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, apoiada pelo presidente. Ao discursar, apelou por apoio: “Bolsonaro, a cultura não é tua inimiga!”.

No Rio, funcionários esperam
receber pelas demissões

Enquanto isso, no Rio, os quase 400 funcionários da Acerp querem saber, pelo menos, se a instituição poderá arcar com o valor das demissões.
Francisco Campêra, diretor da instituição, está em Brasília, tentando reverter a decisão do governo.

Vende, não vende

Francisco Brennand, que morreu ontem no Recife, tinha um velho hábito em sua Oficina Cerâmica – o de adesivar obras que não venderia em hipótese nenhuma. “Tempos depois, ele tirava os adesivos e colocava em outras peças…”, relembrou à coluna o cantor Marcelo Falcão, do ex-O Rappa.

Foi na famosa Oficina que, em 2016, a banda gravou seu último DVD, Uma Vida Só. Apreciador de charutos, Falcão ganhou do escultor um cinzeiro, que o acompanha como amuleto.

Bienal terá R$ 600 mil para
preparar pavilhão em Veneza

A participação do Brasil na Bienal de Veneza de 2021 está garantida. O presidente da Bienal de SP, José Olympio da Veiga, recebeu do secretário da Cultura, Roberto Alvim, a garantia de que a Fundação Bienal SP receberá R$ 600 mil para viabilizar – já no próximo ano – o Pavilhão do Brasil na exposição italiana, em 2021.

Aluga-se palácio

De março até agora, 20 locatários, entre empresas e entidades, já alugaram espaços do Palácio dos Bandeirantes, gerando um total de R$ 729,2 mil para o caixa do Governo. No ano passado inteiro foram arrecadados R$ 51,4 mil.

A festa para os 120 anos
de Pietro Bardi

Dois livros e uma exposição, além de vários eventos, compõem a programação dos 120 anos do nascimento de Pietro Maria Bardi, em fevereiro do ano que vem. O plano de Waldick Jatobá, presidente do Instituto Bardi/Casa de Vidro, é lançar Kitsch, obra que reúne as impressões de Bardi sobre objetos de sua ampla coleção. Uma exposição com suas peças, hoje no acervo do Masp, também está na agenda.

Evento inclui também
livro e show

Já o livro Casa de Vidro: A Vida dos Bardi traz um mapeamento da Casa – com jardim, acervo e estrutura. Para o verão, estão marcados shows beneficentes, no jardim da casa. Depois do show de Adriana Calcanhoto, no início do mês, o próximo é Marisa Orth, cantando Belchior.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: