Medida que transfere funções do MDIC tem ‘alarme falso’

Sonia Racy

10 de maio de 2019 | 00h55

PAULO GUEDES. FOTO: FOTO: ALAN SANTOS/PR

PAULO GUEDES. FOTO: FOTO: ALAN SANTOS/PR

Pé na Lua

É no mínimo esdrúxula, para não dizer estapafúrdia, medida aprovada na comissão mista encaixada na MP 870, da reforma administrativa.

Segundo adiantou o blog da coluna ontem, ela simplesmente transfere atribuições que hoje estão sob o guarda-chuva de Paulo Guedes – herdadas do extinto Ministério da Indústria e Comércio – para… Marcos Pontes.

Pé na Lua 2

Diz a MP: “Também anuímos com a proposta de transferência da competência do Ministério da Economia de formulação de políticas de desenvolvimento da indústria, do comércio e dos serviços, constante do inciso XXI, art. 31 do texto original da Medida Provisória, para o âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações”.

Pé na Lua 3

No final das contas, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, admitiu, ontem, ter cometido um erro nessa transferência. Na verdade, só a Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial, a ABDI, é que vai migrar para Pontes.

Pena, a experiência do ministro-astronauta no que se refere a indústria ou comércio poderia permitir a construção de nave espacial para o Congresso aterrissar… na Terra.

Noves fora zero

Nenhum integrante do governo Bolsonaro irá a Nova York participar da semana de seminários e eventos financeiros – que acontecem paralelamente à premiação do Person of the Year.

A pelo menos uma fonte da coluna Guedes justificou: a falta de consideração do prefeito de NY, Bill de Blasio, por Bolsonaro “desaconselha a ida de qualquer ministro”.

Tá em casa

Ao que tudo indica, Bolsonaro não precisará se preocupar com as oposições em Dallas, caso realmente decida ir para lá semana que vem. Em outubro passado ele ganhou de Haddad na cidade, no segundo turno, por 472 votos a 80.

Quem veio

Jason Saul, consultor internacional de inovação social, está no Brasil a convite da Suzano. Autor de vários livros, Saul também cooperou com a Casa Branca e com gigantes do mercado de varejo, tornando-se conhecido por levar à mesa de executivos números que sustentam projetos lucrativos e socialmente responsáveis.

Na quinta-feira, o americano deu palestra para 100 convidados do grupo.

Briga

A diretoria da Andifes – associação que reúne os dirigentes das federais – ficou sabendo, em reunião com Cármen Lúcia, que a questão dos cortes já está sendo judicializada. A ministra do STF avisou que três ações sobre o assunto foram levadas à corte.

Uma está com Celso de Mello e as outras duas estão com Marco Aurélio Mello.

Lá e cá

A causa indígena pode estar em baixa no Brasil, mas está em alta na… França.

O longa Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora, que fala sobre o tema, estreia hoje na França em mais salas do que no Brasil.

As mães e o Leão

A Associação Comercial fez as contas e avisa: o campeão de impostos, para o Dia das Mães, é o perfume estrangeiro – com 78,9% de tributação. O nacional vem a seguir, com 69,13%. O terceiro presente mais taxado desse ranking é o relógio. Com carga tributária de 56,1%.

Leia mais notas da colouna:
+ MP da reforma administrativa transfere funções de Guedes a Marcos Pontes
+ Só 1% de cidades, no País, luta por redução de gases via mobilidade urbana

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.