Me Tarzan, you elephant

Sonia Racy

03 Julho 2015 | 01h10

Depois do foie gras, a Câmara de São Paulo pode proibir também o comércio de peças de marfim de elefantes. A justificativa de Gilberto Natalini, autor da proposta, é coibir “o extermínio destes formidáveis animais”.

E mais: o vereador diz que “o ritmo de matança se acelerou nos últimos anos, superando 35 mil elefantes abatidos por ano nas savanas da África subsaariana”.

No Brasil? Elefante, só mesmo em zoológico.