Martelo batido

Sonia Racy

13 de novembro de 2013 | 01h01

Sergio Simon, presidente do futuro Museu Judaico de São Paulo, assina amanhã contrato de apoio com o cônsul-geral da Alemanha, Friedrich Däuble. O país irá contribuir com R$ 900 mil para viabilizar o museu – que será erguido no local da antiga sinagoga Beth-El, na Av. Nove de Julho.

O prédio tem inauguração prevista para o fim de 2015.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: