Made in China

Sonia Racy

29 de agosto de 2011 | 23h01

Roseline Luo Zilin, miss China, adora tuitar. Como em seu país o Twitter é proibido, ela não sai do Weibo, equivalente chinês do microblog. A jovem de 24 anos chegou ao Brasil para a final do Miss Universo, que acontece em Sampa dia 12 de setembro.

Para se sentir mais segura, conta com o apoio virtual de seus fãs seguidores, que a enchem de autoconfiança. E com outro escudo poderoso: Yue-Sai Kan, a bilionária dona dos direitos do Miss China. Ambas foram homenageadas em almoço na Brasilinvest, de Mario Garnero.

Antes de as casquinhas de siri, o atum grelhado com shimeji e o risoto de grãos chegarem à mesa, a bela, de 1m82, conversou com a coluna.

Antes de vir ao Brasil, você se preparou para o Miss Universo nos EUA. Como foi?

Fiquei três semanas em Nova York e uma em Boston. Fiz curso intensivo de inglês, tive aulas de dança, inclusive samba. Achei os movimentos muito difíceis. Especialmente porque só sabia danças típicas chinesas. Sou muito alta e pensei que não pudesse dançar. Mas foi bem divertido. Também passei por uma preparação para perguntas e respostas.
O que você diria se os juízes do concurso te perguntassem sobre Direitos Humanos na China?

Acho que cada país tem suas próprias leis. Penso que o governo deve saber o que é bom para seu povo. Cada país vive uma situação diferente. É importante que a gente respeite uns aos outros. E todos nós precisamos conhecer mais a história e a cultura dos países, para que não haja mal-entendido.
Gosta de usar a internet? Não fica incomodada com as restrições impostas pela China?

Hoje mais e mais pessoas estão usando a internet. Especialmente o Weibo, o Twitter chinês. Eu uso todos os dias e escrevo notícias sobre o Miss Universo. Muitos fãs respondem, a maioria manda mensagens de apoio.

E você usa Facebook? Ou gostaria de usar?

Na verdade, não. O povo chinês tem uma maneira diferente de se relacionar. Eu prefiro usar MSN, Weibo, e-mail e o telefone.

Está confiante para vencer a final do Miss Universo?

Realmente não sei o que esperar. O padrão de beleza na China é pele branca, lábios pequenos e finos e olhos bem grandes. E eu não tenho nada disso. Antes de entrar na competição, nunca pensei que poderia vencer um concurso desses. Nunca fui muito confiante sobre minha beleza. Sempre fui tão tímida… Na escola, quando eu chegava, os meninos gritavam: “Olha, a menina alta está aqui, a menina alta está aqui” (risos).
D. BERGAMASCO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: