‘Lula ganhou realidade igual à sua ficção’

‘Lula ganhou realidade igual à sua ficção’

Redação

25 de dezembro de 2008 | 06h00


Foi este o presente de Papai Noel para o presidente. Confira a lista completa.

Extra, extra. Apesar da crise internacional e da sacola algo magra, Papai Noel não está estressado. Recebeu a coluna com calma e revelou, novamente, pelo segundo ano consecutivo, os presentes que ainda está se esforçando para distribuir durante a manhã de hoje. Generoso como sempre, o Bom Velhinho não esqueceu ninguém, nem mesmo de quem não se comportou tão bem. De Sarkozy ao Corinthians, passando por Lula e Obama, o mundo foi lembrado.

Papai Noel, o que o senhor reservou para a nossa combalida economia mundial? Minha filha, a coisa tá difícil. Não sei se sobra sequer o meu saco vermelho para distribuição de presentes no ano que vem. Mas olha aqui a pilha de vitaminas que estou ainda mandando para Deus e todos.

Por falar em Deus, o que o senhor mandou para gente como Lula e José Serra? Lula ganhou uma realidade igualzinha à sua ficção. Já para o governador-palmeirense e para o são-paulino Muricy, separei um vidro de senso de bom humor. Afinal, senso de mau humor, os dois têm de sobra…

PT e o PSDB? Para o PT, uma volta ao seu passado. Para o PSDB, eu não dou, eu tiro: o muro.

Os egos de hoje em dia mereceram algum presente? Policiamento permanente. Mas como ninguem é de ferro, uma massagem de vez em quando.

A publicidade ganhou presente, apesar da crise? Para a publicidade, eu dei a forma para expressar bons conteúdos em vez da forma para esconder a falta de conteúdo, como vem acontecendo. Dei também mais auto-estima e auto-respeito.

O Obama ganhou o quê? Dois presentaços. Dei condições para que ele realize pelo menos 30% das expectativas. E que sua mulher se transforme realmente na espetacular primeira-dama que promete ser.

E o Sarkozy? Nada: ele já foi mais do que presenteado este ano.

Para o Corinthians, qual foi o presente de Natal ? O campeonato paulista e o nacional de 2009; para o Flamengo, o vice do nacional; para o Palmeiras, nosso inimigo de estimação, o terceiro lugar; e, para o São Paulo, que tem tradição no meu trenó, o quarto.

A Libertadores da América mereceu alguma prenda no meio dessa presentada toda? Sim, a disputa por pontos corridos, que é mais justa e menos literalmente mata-mata.

O Ronaldo Fenômeno, tadinho, teve um ano conturbado. O senhor foi generoso com ele, Papai Noel? Dei uma plena recuperação e o endereço de um bom oculista.

E para o Dunga, qual foi a prenda? Para a Seleção Brasileira e para o Dunga, dei um técnico experiente e independente.

E seus filhos Papai Noel? Para os meus filhos e para a minha mulher, eu vou dar mais tempo meu.

O que ganha o planeta no Natal? Água: ele está cada vez mais pedindo água.

E o Brasil, mandou cartinha pedindo alguma coisa? Educação para todos. E um dinheirinho também.

E as celebridades? A idéia de que prestígio é bem melhor do que celebridade.

A imprensa foi bem comportada? Merece presente? Para a mídia impressa, dei um caderno como o Weekend, do Financial Times de Londres. E a lembrança de que a obsessão pelo inédito muitas vezes leva à publicação do irrelevante.

E o verão Papai Noel? Para o verão, várias musas. Para outono, para o inverno e para a primavera, também.

E o mundo, bom velhinho? Paz no céu, na terra e nas bolsas de valores. Os homens de boa vontade ganharam mais boa vontade e um pouco menos de paciência.

E as religiões? Mais integração e menos radicalismo.

Para o catolicismo? Mais católicos, apostólicos, brasileiros e corintianos, como eu.

E a gastronomia? Menos fricotes e mais Donas Onças. Para a enologia, mais gente consumindo vinhos e menos gente consumindo rótulos.

A medicina levou o quê? A cura de todos os males.

E a internet? A oportunidade de, finalmente, dar dinheiro.

Spams, telemarketing e sistemas “agora disque isso, agora disque aquilo”, ganham algo? Um basta.

E o senhor, ganhou alguma coisa? Mais saco. Até porque, nesse final de ano, haja saco…

Para Deus… uma folga. O que ele tem sido requisitado não é mole.

Foi escolhido para ser nosso Papai Noel este ano, o publicitário Washington Olivetto, da W/Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: