Lewandowski assume Senado amanhã para julgar Dilma

Sonia Racy

08 de agosto de 2016 | 12h14

 

Tem 24 pontos o roteiro que o Senado e o STF definiram para garantir o andamento da sessão de amanhã, em que será votada, em plenário, a aceitação do parecer do relator Antonio Anastasia — e na qual, enfim, Ricardo Lewandowski assume a presidência da Casa.

Se aprovado, por maioria simples – ou seja, mínimo de 41 votos –, o texto começa a tramitar para a votação final, entre os dias 25 e 29, do impeachment de Dilma. Para que este seja aceito, serão necessários 2/3 dos votos, ou seja, 54.

 

Os 24 itens foram acertados previamente entre Lewandowski e Renan Calheiros, pelo Senado. Eles se referem, entre outros, a tipos de assuntos que podem ser trazidos a debate, papel da acusação e da defesa, questões de ordem, prazos para discursos e réplicas, voto em separado. Entre os parlamentares, a expectativa é que a sessão dure em torno de 30 horas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: