Lei aumenta pena de homicídio para quem dirige embriagado

Sonia Racy

28 Dezembro 2017 | 01h00

Aumentou a pena do homicídio culposo para quem dirige sob efeito de álcool ou drogas. Antes, a pena ia de dois a quatro anos. Agora, será de cinco a oito. A nova regra – publicada às vésperas do Natal – passa a valer no final de abril.

Motoristas respondiam
por homicídio doloso

Como a pena do homicídio culposo – o crime involuntário – era baixa, muitos motoristas acabavam sendo processados por homicídio doloso, com o chamado dolo eventual – quando quem guia está consciente do alto risco de causar um crime.

Novo texto pode levar à
discussão de casos antigos

Para advogados criminalistas, o novo texto pode trazer à discussão, de novo, casos como o de Gabriella Guerrero, que dirigia a Land Rover que matou Vitor Gurman na Vila Madalena, e de Marcelo Lima, que guiava o Porsche do acidente em que morreu Carolina Santos, no Itaim.

Leia mais notas da coluna:

+ São Paulo quer criar S.A. para administrar o futebol

+ Organizações abrem guerra contra fake news nas eleições