Sem déficit 3

Redação

25 de agosto de 2009 | 09h16

Sobre tranformar os clubes em empresas, como defende Luiz Gonzaga Belluzzo, do Palmeiras, Teixeira é reticente: “Vejo muitos economistas e empresários que, nas empresas, conseguem fazer o que pregam.

Mas, ao chegar no futebol, mudam. Futebol é um negócio emocional, não tem jeito. Só isto explica, por exemplo, o pagamento de R$ 700 mil por mês a um treinador.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.