Roliúde carioca

Redação

29 de setembro de 2009 | 07h41

Nem só de filmes vive o Festival Internacional de Cinema do Rio. Nas conversas entre produtores durante o fim de semana, começou a tomar forma uma espécie de Hollywood tupiniquim – a Rio Film Commission. Objetivo? Atrair para a cidade mais produções importantes e profissionalizar filmagens ali realizadas.

Reunidos em paralelo à programação, eles até já escolheram um diretor – o americano Steve Solot, ex-Motion Picture Association. Impulsionado pelo fundo Rio Global, o grupo delineia algumas metas. Uma delas, planejar um pólo audiovisual na zona portuária. Outra, adotar o cash rebate, sistema que permite devolver aos estrangeiros 5% do que for investido no Rio.

Querem Sergio Cabral e Eduardo Paes comandando o grupo que, no começo de 2010, vai oferecer a Cidade Maravilhosa em Los Angeles.

Três produções internacionais estão no balaio. Chasing Bohemia, de Stephen Hopkins; Rio Eu te Amo, com vários diretores; e o filme de Woody Allen em 2011.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.