Kassio Nunes e André Mendonça, ambos indicados por Bolsonaro, têm primeira divergência

Direto da Fonte

09 de fevereiro de 2022 | 00h30

Desembargador Kassio Nunes Marques, indicado por Bolsonaro para o STF. Foto: Ramon Pereira/Ascom TRF1

Ministros do STF testemunharam pela primeira vez, na semana passada, uma divergência entre os colegas Kassio Nunes Marques e André Mendonça, ambos indicados por Bolsonaro. Kassio, relator de um caso, votou a favor de um habeas corpus anulando provas e a condenação de um preso que, no processo, não foi informado de seu direito de ficar calado e não produzir provas contra si.

O julgamento, em sessão virtual, foi no entanto interrompido por um pedido de vistas de Mendonça.

Juntos

Kassio, assim, aderiu à posição de Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Edson Fachin que, na 2.ª Turma, costumam votar a favor da prerrogativa constitucional de a pessoa não produzir prova contra si.

‘Eu tive um sonho…’

Nilma Dominique é a primeira brasileira a ser reconhecida com o Martin Luther King Jr. Leadership Award, concedido a estudantes, ex-alunos, funcionários e professores do MIT que incorporam o espírito do trabalho de Luther King Jr.

Segundo a direção do programa MIT-Brazil, Nilma incorpora os valores de Martin Luther: amor, igualdade, serviço, altruísmo. A festa do prêmio acontece virtualmente amanhã.

Olho em 2030

Criada pela rainha Silvia, da Suécia, a World Childhood Foundation, que ajuda crianças vítimas de abuso sexual, em todo o mundo, agora tem como vice-presidente a princesa Madeleine, filha da rainha. O que a casa real define como “uma visão 2030 da organização”.

Oswald presente

A Edusp lança neste sábado, véspera do centenário da abertura da Semana de Arte Moderna, os dois volumes de “Obra Incompleta”, de Oswald de Andrade. Organizada por Jorge Schwartz, e em parceria com a Biblioteca Mário de Andrade, a obra é fruto de 30 anos de pesquisa da qual participou, entre outros, Haroldo de Campos.

Com 1.600 páginas, ela é a união de três livros, um de poesia, outro de ficção e um terceiro de manifestos, textos de tese e de crítica.

A trabalho

Mario Frias viajará com Bolsonaro para a Rússia neste domingo. O “capitão Cultura” André Porciúncula, fiscal da Lei Rouanet e fiel escudeiro do secretário, também vai. Além dos russos, vão encontrar também autoridades da cultura na Hungria e  na Polônia. Ficam fora  de 13 a 23 de fevereiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.