Jockey Club sonha com retomada em semana de Grande Prêmio

Jockey Club sonha com retomada em semana de Grande Prêmio

Direto da Fonte

12 de maio de 2022 | 04h45

Expectativa com Jeane Alves, que corre com o cavalo Roxoterra

Expectativa com Jeane Alves, que corre com o cavalo Roxoterra. Foto: Porfírio Menezes

Vai longe o tempo em que uma hora dessas a cidade já estaria tomada pelo frenesi de um final de semana de Grande Prêmio São Paulo de Turfe, no Jockey Club. Em sua 98º edição, a primeira com público desde o início da pandemia, as pretensões são bem mais modestas.

JOQUETA. A partir de amanhã, o Hipódromo de Cidade Jardim irá sediar três dias de provas. O Grande Prêmio São Paulo, o páreo mais importante, acontece no domingo com duas atrações: Jeane Alves, a melhor joqueta do Brasil e a única mulher da competição e o jóquei Jorge Ricardo – recordista mundial – montando o cavalo Head Office.

POLÍTICOS. No passado, o evento mobilizava 50 mil pessoas. Desta vez, a expectativa não arranha as 5 mil. Estrelas do mundo político eram habitués, mas hoje autoridades como o prefeito Ricardo Nunes e o governador Rodrigo Garcia, embora convidadas, não sinalizam (até agora) nenhuma intenção de ‘dar uma passadinha’.

BOCA LIVRE. Sem verba para patrocinar um grande almoço de abertura ou algo como um ‘tapete vermelho’, o evento não deve receber celebridades (fala-se que, talvez, o cantor Zezé di Camargo apareça).

GLAMOUR. Ninguém espera o tradicional desfile de chapéus glamourosos pelas tribunas, mas existe um dress code para a arquibancada Social Paddock que sugere ‘esporte fino’.

DE GRAVATA. Para o domingo, o restaurante Cena Jockey sugere ‘passeio completo’ – terno, camisa, gravata e sapato para homens; vestido, saia ou macacão para mulheres.

CRIANÇAS. Para atrair famílias para o evento, o Jockey terá atrações para crianças e também um ‘Bar nas Alturas’, onde se bebe içado por um guindaste a 35 metros do chão.

FUTURO. Apesar das dificuldades financeiras e de pouco apelo com o público mais jovem, a administração do Jockey aposta que esse pode ser o Grande Prêmio da virada. Com Benjamin Steinbruch, como Presidente do Conselho de Administração, a entidade passa por uma forte reestruturação.

Bloco de notas

ESCAPOU? Começa a se criar um clima na Câmara pela não cassação do Camilo Cristófaro. O vereador falou a frase racista “isso é coisa de preto” no plenário, sem perceber que o seu microfone estava ligado. Eduardo Suplicy, do PT, já expôs a colegas que defende a suspensão do mandato por três meses mas que considera a cassação exagero.

PAÍSES IRMÃOS. O diretor do Itaú Cultural, Eduardo Saron, e o ministro português da Cultura, Pedro Adão e Silva, se encontram hoje para firmar parceria em um projeto de análise comparada do comportamento da economia criativa nos dois países.

FEIRA. A Associação Quatro Cinco Um está organizando uma feira do livro, marcada para junho na praça Charles Miller. Mais de 80 editoras e livrarias confirmaram presença.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.