Decisões no STF ‘apresentam’ visão econômica de Barbosa

Sonia Racy

28 Abril 2018 | 01h00

JOAQUIM BARBOSA, EX-MINISTRO DO STF

JOAQUIM BARBOSA, EX-MINISTRO DO STF. FOTO: MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Uma breve mostra do “perfil econômico” de Joaquim Barbosa aparece em um manual das eleições brasileiras que o Itaú preparou e está divulgando, em inglês, no mercado. Para tanto, os autores levantaram e analisaram decisões que ele tomou como ministro do STF em casos com repercussão na economia.

O que vem à luz é que o quase presidenciável do PSB se mostrou favorável à taxação de inativos e pensionistas, à flexibilização do monopólio do petróleo, votou em favor do status de ministro para o presidente do BC e da fixação do salário mínimo por decreto do Poder Executivo.

O levantamento traz ainda opiniões das equipes econômicas de cinco nomes – Lula, Bolsonaro, Marina Silva, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin – sobre privatizações, impostos, teto de gastos e reforma da Previdência, reformas fiscais, BNDES e autonomia do Banco Central.

Leia mais notas da coluna:

Lei sancionada por Temer “teria impedido” que Dilma deixasse o poder

Juiz impede Estado de pagar R$ 85 mil por retrato de Serra