Jô é o novo imortal paulista

Sonia Racy

04 Agosto 2016 | 19h01

 

A cadeira 33 da Academia Paulista de Letras pertence, desde o final da tarde desta quinta-feira, 4, ao humorista e apresentador de TV Jô Soares. O que valeu, de parte do presidente da casa, Gabriel Chalita, a saudação “A Academia ficará mais bonita com sua presença”.

O antecessor de Jô, Francisco Marins, ocupou a cadeira durante 50 anos — entre 1966 e 2016. José Eugênio Soares — ou, simplesmente., Jô –, que é de 1938, escreveu artigos, peças de teatro e livros, entre os quais O Homem que Matou Getúlio Vargas, Humor nos Tempos do Collor e O Xangô de Baker Street.