Janot não pode insinuar que Joesley não cumpriu acordo, diz Kakay

Sonia Racy

10 de setembro de 2017 | 17h04

Em comunicado que divulgou entre amigos e obtido pela coluna, o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro — o Kakay, que acaba de se juntar aos advogados de defesa de Joesley Batista — afirma que os delatores (no caso, Joesley e Ricardo Saud) “cumpriram rigorosamente tudo o que lhes era imposto” e que o procurador-geral Rodrigo Janot “não pode agir com falta de deslealdade e insinuar que o acordo não foi cumprido”.

Kakay esclarece, no texto, que só vai atuar na defesa no que se refere à prisão temporária. Joesley e Saud apresentaram-se no início da tarde deste domingo à PF.

A seguir, a íntegra da mensagem do advogado:

“Assumi a defesa do Joesley e do Ricardo perante o STF, juntamente com os demais advogados que ja atuavam na causa, para tratar deste episódio da prisão e para atuar junto ao Supremo Tribunal. Entendo que os delatores ao assinarem a delação cumpriram rigorosamente tudo o que lhes era imposto. Não pode o Dr. Janot agir com falta de lealdade e, insinuar que o acordo de delação foi descumprido. Os clientes prestaram declarações e se colocaram sempre à disposição da Justiça. Este é mais um elemento forte que levara a descrença e a falta de credibilidade do instituto da delação. Sempre ressalto a importância deste instituto, mas é necessário que seja revisto o seu uso. A proposta de quebra unilateral, sem motivo, por parte do Estado, no caso representado pelo Procurador Geral, gera uma insegurança geral para todos os delatores. Meus clientes agiram com lealdade e continuam à disposição do Poder Judiciário ressaltando a confiança no Supremo Tribunal.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.