Item de denúncia contra acusados de assassinar Marielle preocupa PSOL

Sonia Racy

15 de março de 2019 | 00h50

MARIELLE FRANCO

MARIELLE FRANCO. FOTO: RODRIGO CHADÍ/FOTOARENA/FOTOARENA/PAGOS

Juliano Medeiros, presidente do PSOL, vê com temor um dos itens da denúncia do MP contra Ronnie Lessa e Elcio Vieira, acusados de matar Marielle e Anderson Gomes: o “motivo torpe”. Pode abrir margem para classificar o assassinato como crime de ódio.

O que descartaria ter um mandante.

PSOL vai pressionar por CPI

Depois da operação que prendeu os dois paramilitares, o PSOL, partido da vereadora assassinada, decidiu fazer pressão pela “CPI da Milícias”. Quando o PT começou a recolher assinaturas, em fevereiro, os psolistas não tinham se entusiasmado.

Precisa-se da assinatura de 171 deputados e que Rodrigo Maia – eleito pelo Rio – instale a comissão.

Leia mais notas da coluna:
+Franco favorito, Cauê Macris tem apoio até de Marcio França para se reeleger na Alesp
+ Armas ‘podem diminuir o freio ético’, diz militante pacifista