Iphan ajuda Mangueira a festejar a religiosidade do País

Sonia Racy

28 de fevereiro de 2017 | 01h00

Muito do que Mangueira preparou para seu desfile na madrugada desta segunda-feira nasceu de uma parceria… com o Iphan — o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Ao saber que a escola escolheu como tema a religiosidade na cultura brasileira – o enredo foi “Só com a Ajuda do Santo” –, Kátia Bogéa, a presidente da entidade, contatou o carnavalesco Leandro Vieira e abriu o acervo – cedendo livros (mais de 60), imagens de estatuetas e máscaras de cultos, entre outros apoios.

Iphan ajuda

A parceria vai virar livro, documentário e exposição, já marcada para o Paço Imperial, de julho a setembro.

Escolta baiana

Como prevenir é melhor que remediar, camarotes famosos do carnaval de Salvador, que cobram até R$ 2.500 pelo abadá, colocaram seguranças para escoltar clientes importantes até a porta das vans e táxis, estacionados em ruas próximas.

Tudo para evitar roubos e complicações com outros foliões.

O serviço acabou atraindo, é claro, outros “seguranças” não credenciados. Que ficam por perto oferecendo o mesmo serviço – cobrando R$ 50 pelo percurso, por pessoa.

Conexão África

A pergunta corria, nas rodinhas e camarotes de Salvador, desde o primeiro dia. Será verdade que um dos maiores camarotes cedeu enorme área para uso particular de um sheik africano?

E ele teria pago mesmo, como se comentou, a bagatela de R$ 1 milhão?

Saudadinha

Camila Alves, mulher do ator Matthew McConaughey, dividiu-se em frente à televisão, anteontem, em Los Angeles. A brasileira afirmou, pelas redes, estar com muita saudade do carnaval do Rio. E que veria o Oscar mudando para os desfiles do Rio na hora dos comerciais.

Ainda postou foto de 2009, dançando com o maridão na pista do camarote da Brahma.

The Oscar does not go to…

E enquanto o Twitter na madrugada brasileira registrava ontem as escolas na Sapucaí, nos EUA o que bombava era o erro na premiação final do Oscar. As hashtags prediletas eram #lalagate e #wrongbestfilmgate.

E um dos comentários ironizava: “Se isso fosse enredo de filme, seria vaiado”.