Investidor egípcio vai a Temer falar de acordo para Oi

Sonia Racy

01 de novembro de 2016 | 00h35

Discretamente, Naguib Sawiris foi recebido há duas semanas por Michel Temer, por Eliseu Padilha, e passou para conversar na Anatel. Tudo por causa da costura de acordo com os detentores de títulos da Oi – os chamados “bondholders”.

O plano do investidor egípcio é ajudá-los a recuperar R$ 14 bilhões investidos na tele e, por meio deles… controlar a companhia.

Investidor 2

Sawiris disse a Temer que estaria disposto a colocar US$ 1,5 bilhão do próprio bolso na empresa, segundo fontes próximas ao empresário – que é fundador da tele egípcia Orascom Telecom e responsável pelo salvamento da italiana Wind – processo que durou quatro anos.

Ele não quer, entretanto, Nelson Tanure lá dentro. O empresário carioca é conhecido por comprar empresas quebradas e não exatamente recuperá-las. Sawiris quer também deslocar do jogo os portugueses da Pharol, que, na prática, controlam a companhia.

Investidor  3

Suas ideias foram bem vistas no governo Temer. O egípcio convenceu, ao dizer que sua proposta vai aliviar o atrito entre credores, acionistas e fornecedores, além de manter a qualidade dos serviços prestados ao consumidor.