Institutos deixam de considerar ‘voto envergonhado’

Sonia Racy

08 Outubro 2018 | 01h00

JAIR BOLSONARO

JAIR BOLSONARO. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Mais uma vez, os institutos de pesquisa falharam em antever resultado das eleições. Aos que desconfiavam de que algo poderia ser diferente – por exemplo, haveria voto “envergonhado” em Jair Bolsonaro? –, tanto Márcia Cavallari, do Ibope, quando Mauro Paulino, do Datafolha, rebateram, na noite de sábado, respondendo a pergunta feita dentro do Canal de Eleições da GloboNews.

Ambos fincaram pé e disseram que quem vota em Bolsonaro faz questão de declarar. Na defesa de ambos, alertaram, porém, que “a foto” ali era “a do momento”.

Áudio fake pediu B.O. contra supostas fraudes

Um áudio disseminado por WhatsApp com alguém se dizendo assessor jurídico de Bolsonaro pede a eleitores, “diante de relatos de problemas ao se digitar 17 na urna”, que façam, além do registro em ata eleitoral, um boletim de ocorrência policial.

Procurada pela coluna, a advogada eleitoral do candidato disse não ter conhecimento dessa ação ou de qualquer orientação que não conste no site “Fiscais do Jair”.

Rosa Weber passa dia em contato com TRE-SP

Rosa Weber passou o dia de ontem em contato telefônico com Cauduro Padin, presidente do TRE-SP, segundo fonte do tribunal.

Trocaram ideias sobre o que fazer com informações que “parecem ser fake news”, ainda em fase de checagem.

Chegam acusações de fraudes na Cidade Tiradentes, privilegiando Haddad. Até ontem, não havia confirmação de qualquer uma delas.

Leia mais notas na coluna:
Debate centrado em costumes favoreceu Bolsonaro, diz analista
Empresários pregam voto útil em Bolsonaro