Indicação para o STF é questionada

Sonia Racy

26 Janeiro 2017 | 00h45

Essa coluna recebeu inúmeros telefonemas, ontem, contra a ideia de se indicar Ives Gandra Martins Filho para vaga no STF.

O único advogado que não viu problema em ser identificado foi Sergio Bermudes: “É absurda essa indicação”, disse ele, “um retrocesso ter no STF alguém que sequer tem condições de ouvir argumentação a favor de algo sobre o que ele já tenha opinião formada. Ele é contra o aborto, é xenofóbico, é destemperado”, diz o advogado carioca, para quem “falta seriedade a Gandra Filho”.

As outras críticas recebidas vão todas na mesma linha.

Timing

Pelo que se apurou, o assunto não será resolvido antes de quarta-feira que vem, quando o Supremo retoma os seus trabalhos.

Mágico de Oz

Jack Ma é mesmo diferente. Repetindo sempre que não quer acabar a vida tocando seu grupo Alibaba, o bilionário chinês, dono de fortuna de US$ 27 bilhões, encerrou jantar em Davos, em petit-comité, com um show de mágica conduzido por… ele mesmo.

Entre os convidados de Ma estavam a Rainha Máxima, da Holanda, Sheryl Sandberg, do Facebook, Roberto Azevêdo, da OMC e os britânicos Tony Blair e Gordon Brown.

Tom maior

Nos seus 90 anos, ontem, Tom Jobim ganhou duas homenagens “in memoriam” do aeroporto internacional do Rio, que leva seu nome. Primeira: a Radio RioGaleão passa a transmitir diariamente uma hora inteira de suas canções — uma iniciativa sem prazo para acabar.

A segunda é produzir o volume 2 do CD “Jobim Sinfônico”, com cantores convidados, a ser lançado em um concerto no Rio. O primeiro CD levou o Grammy em 2004.