Indenizações a acionistas da Petrobrás empacam no valor da ADR

Sonia Racy

21 de novembro de 2019 | 00h50

SEDE DA PETROBRÁS

SEDE DA PETROBRÁS. FOTO: SERGIO MORAES/REUTERS

 

Investidores brasileiros tentaram, no passado, abrir ação parecida com a que tramitou na Justiça americana, em 2017, indenizando detentores de ADRS (recibos de ações emitidos nos EUA) da Petrobrás. Por meio do escritório americano Pomerantz LLP, essa ação coletiva, julgada em janeiro de 2018, penalizou a estatal em… US$ 3 bilhões.

A “multa” foi quitada pela estatal. Mas os dólares que entraram na conta do escritório de advocacia ainda não foram distribuídos aos inúmeros clientes que ganharam o processo. Segundo fonte envolvida nesse imbróglio, o pagamento desse “dividendo extra”, por cada ADR, às vítimas dos malfeitos da Petrobrás na Lava Jato soma… US$2,8 por ação.

Estatal diz que desconhece
o valor a ser pago 

Para se ter uma ideia, a ADR, no Dow Jones de terça, estava cotada a US$ 14,85.

Indagada, a assessoria da Petrobrás confirma o pagamento dos US$ 3 bilhões mas desconhece o valor a ser pago, como indenização, por cada ADR comprada. Explica que essa conta é atribuição dos autores da causa judicial.

Investidores buscam novo
caminho para acionar a empresa

Apostando que essa indenização, por ADR, é real, os mesmos investidores brasileiros se reorganizam para buscar uma nova fórmula de acionar a Petrobrás.

Na primeira tentativa, eles perderam na Justiça e a ação foi extinta. E mais: a lei brasileira não permite que uma mesma ação seja reapresentada pelo mesmo motivo.

TCU quer mudar forma
de seguir gastos na cultura

O TCU vai organizar, pela primeira vez, um diálogo público sobre prestação de contas em projetos culturais que usam recursos públicos. A sugestão é de Ricardo Ohtake e Eduardo Saron, conselheiros dessa área no TCU, e teve apoio de José Mucio Monteiro, presidente do órgão.

SP ‘exporta’ modelo de controle
de patrimônio dos
servidores  

O sistema de controle patrimonial de agentes públicos, Sispatri, implantado em São Paulo em 2014, completou 37 acordos – seis dos quais este ano – para cessão de suas ferramentas eletrônicas a controladorias e entidades públicas de cidades e Estados de todo o País.

O balanço foi divulgado em encontro nacional da Enccla, que reúne 86 órgãos dessa área em Belo Horizonte. “É um convênio gratuito, para somar esforços contra a corrupção”, diz o ouvidor-geral Gustavo Ungaro, de SP.

Da Vinci bate recorde de
público no MIS Experience

A exposição sobre os 500 anos de Leonardo Da Vinci já arrecadou R$ 1,9 milhão em bilheteria. Foram vendidos 70.150 mil ingressos, com um público de 64,518 mil pessoas. Mostra vai até 1º. de março no MIS Experience. Tem tudo para superar a do Castelo Rá-Tim-Bum, vista por 410 mil pessoas em seis meses.

RenovaBR forma mil
novos futuros políticos

O RenovaBR, dedicado à busca e preparação de novos talentos políticos, bateu o martelo. Marcou para 7 de dezembro, na Sala São Paulo, a formatura da turma do ciclo 2019.

Serão cerca de mil alunos, no maior evento de sua história.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: