Incontinência verbal de Bolsonaro ‘tem fundo narcísico’, diz analista

Sonia Racy

10 de agosto de 2019 | 00h50

 

 

JAIR BOLSONARO. FOTO SECOM

Falar é…

Já comentada por FHC, a incontinência verbal de Bolsonaro não sai de cena – e ontem, ao que tudo indica, ela atingiu um de seus picos quando o presidente aconselhou um jornalista a “fazer cocô dia sim, dia não” para melhorar o meio ambiente.

Os ecos dessa escalada verbal acabaram chamando a atenção não apenas dos políticos mas de estudiosos como Christian Dunker, psicanalista e professor da USP.

“A novidade é o aumento de suas falas em duas oitavas”, avisa Dunker. “Ele está falando muito mais alto do que precisaria para o papel dele.”

…falar

No rigor da análise técnica, Dunker vê nas declarações presidenciais “uma vicissitude narcísica que se apoia na autenticidade”: ele precisa comentar e classificar tudo para mostrar como está à vontade no que faz. Acaba mostrando “uma séria dificuldade em separar a função pública da sua pessoa”. Esses momentos de franqueza programada “têm raízes na formação política, na história, mas às vezes se apoia no funcionamento da personalidade”.

Falar 2

E por que isso acontece? “Talvez haja por trás uma contrariedade. Neste momento, por exemplo, pode ser a questão de nomear seu filho Eduardo Bolsonaro para Washington. E isso o leva a falar mais alto”.

Exibe “uma insegurança, um sentimento de que devia ter mais poder do que tem”.

Fumacê

Menina dos olhos de Paulo Guedes, a “turma do gás” está convicta que a venda da Liquigás, pertencente à Petrobrás, sai ainda este ano e não terá empecilhos com o CADE.

Os três grupos de candidatos, SHV/Consigaz, Itausa/Copagaz e Mubadala devem atender aos limites de concentração.

Fumacê 2

Por outro lado, desapareceram alguns players, como mo Advent e CVV. Não gostaram das manifestações do diretor da ANP propondo mudanças regulatórias temerárias para os operadores.

Na água

O Brasil disputa amanhã na Coréia do Sul a final do polo aquático na categoria 55 +. Entre os jogadores, o veterano Luíz Fernando Figueiredo, da Mauá Capital.

 

Leia mais notas da coluna:
+ Rodrigo Maia vem a SP e encontra governador em exercício
+Para pesquisador, ‘é possível, sim, reduzir a violência nas cidades’

 

 

 

 

Tendências: