Inclusão

Sonia Racy

10 de agosto de 2011 | 23h01

Tendo vivido o problema na própria pele, Carlos Edde, presidente do partido libanês National Bloc, montou proposta enviada ao Itamaraty.

Pede novas regras no que tange ao reconhecimento de cursos e diplomas obtidos por brasileiros no exterior. “Existem hoje mais de três milhões de brasileiros residindo lá fora. E muitos de seus filhos gostariam de se reintegrar ao terminar o segundo grau e atingir a maioridade”, aponta o político, responsável pela reunificação da oposição no Líbano.

De mãe brasileira, Edde (em São Paulo para visitar a família) acredita que se faz necessária uma política para facilitar a reintegração desses jovens que moraram fora do Brasil. Como? Desenvolvendo mecanismos para mantê-los.

Caso contrário, o Brasil sofrerá “evasão de cérebros” que poderiam contribuir, de forma produtiva, para o desenvolvimento do País.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: