Impacto social

Impacto social

Sonia Racy

13 de abril de 2012 | 01h01

Filho de peixe, predador não é. Antônio Ermírio de Moraes Neto e Daniel Izzo, conseguiram um feito: ONG doando recursos para uma empresa. Acabam de receber R$ 10 milhões do Instituto Alana, de Ana Lucia Vilela, projeto dedicado ao estudo da relação entre crianças e consumo. O recurso entra na Vox Capital (empresa na qual são sócios), voltada para investimentos de impacto social e ambiental. Foco da empresa? Unir a competência do setor privado ao terceiro setor.

Com 25 anos de idade, tendo como exemplo o avô homônimo, Moraes Neto decidiu, em 2010, ajudar a combater a desigualdade social por meio de investimentos. “Desde os 15 anos queria empreender, mas não sabia o caminho”. Achou. Seu fundo hoje é sócio de empresas como a Balcão de Empregos, voltada para colocação, no mercado de trabalho, da população de baixa renda.

Caridade? Não, uma nova forma de ver as coisas. “Queremos ganhar dinheiro causando impacto social. Gosto muito de uma frase de Amartya Sen (indiano, Nobel de Economia) na qual ele frisa que pobreza não é questão somente de limitação financeira. É não ter um mínimo de liberdade para se desenvolver. É aí que entra a Vox Capital.”
Atenção: um dos primeiros a aderir ao discurso e à nova empresa foi… Armínio Fraga.
Começaram bem.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.