Historiador pede leis para dificultar saída de jovens craques do País

Historiador pede leis para dificultar saída de jovens craques do País

Sonia Racy

18 Junho 2018 | 00h45

PROFESSOR FLÁVIO DE CAMPOS. FOTO IARA MORSELLI/ESTADÃO

Para Flávio de Campos, da USP, seleção brasileira
virou “uma coisa desenraizada,
distante do torcedor” e os ídolos
estão indo embora do País cada vez
mais cedo. Uma das
saídas, diz ele, é uma forte taxação na transferência 
 de jovens
craques, para “defender a qualidade técnica do nosso futebol”

Enquanto muitos discutem se a torcida “está ou não ligada na seleção” – que estreou ontem na Copa da Rússia com um modesto empate com a Suíça – o historiador Flávio de Campos, da USP, alerta para um desafio sério a se enfrentar no futebol: a transferência indiscriminada de jovens craques para clubes de Primeiro Mundo, onde o esporte se tornou um negócio multibilionário e pode comprar tudo. Esse fenômeno, diz ele, vem alterando a percepção do torcedor. A sensação, para muitos, é que “a seleção é nossa, mas é uma coisa desenraizada, distante”. Quem entra em campo “é um time de 11 craques que jogam e vivem lá no outro lado do mundo”.

Como mudar isso? Campos propõe uma iniciativa radical: uma intervenção no mercado futebolístico. “O futebol é um patrimônio esportivo e cultural do povo e temos de protegê-lo.” Mudar de que forma? Sua proposta é “uma taxação pesada para a transferência de atletas jovens, a partir dos 16, 17 anos. Um valor que iria diminuindo aos poucos, até zerar ali pelos 23, 24 anos”. Coordenador do Ludens – um centro de estudos e debates sobre futebol da universidade –, o professor dá um exemplo prático: “Hoje, o Pelé teria ido embora do Brasil com 17 anos. O Santos não faria o que fez, não seria o que foi”.

Adversário convicto do neoliberalismo, do governo Temer e da “cartolagem que domina os clubes”, Campos vê o futebol como “um ritual no qual se constrói uma pretensa identidade que oculta as desigualdades”. Por isso ele sustenta, nesta entrevista a Gabriel Manzano, que a intervenção no mercado futebolístico “deveria ser acompanhada de uma reforma geral na estrutura dos clubes, nos calendários, nos direitos de transmissão, nas federações”. A seguir, principais trechos da conversa.

Acredita que, apesar da crise, seremos por um mês uma pátria de chuteiras?
Essa expressão é forte, sedutora, mas imprecisa. O Brasil não é a pátria de chuteiras. A seleção é um símbolo da identidade nacional e isso se ritualiza a cada quatro anos. Mas o Brasil não é “o” país do futebol, é “um dos” que têm o futebol como sua principal modalidade esportiva. Como a Argentina, Inglaterra, Itália…

Por que então essa ideia se tornou tão marcante?
Ela expressa, de algum modo, determinadas contradições da nossa sociedade. O futebol se tornou um componente importante da vida coletiva e um dos fenômenos culturais marcantes do planeta. O mundo “para” pra ver os jogos. A audiência de grandes eventos se conta em milhões de espectadores.

Como historiador, como explica que a Copa do Mundo aproxime ricos, pobres, todo mundo?
A festa é um momento extraordinário dentro de um cotidiano marcado por desigualdades. Nele se constrói uma pretensa identidade, uma igualdade – mas também um paradoxo. A meu ver esse envolvimento, simbolizado na camisa amarela, acabou sendo capturado, no Brasil, por um grupo político mais à direita, o mesmo que saiu às ruas pedindo impeachment da Dilma. Foi interessante ver, na decisão do impeachment, o enorme grupo na Esplanada: de um lado camisas amarelas contra a presidente, do outro lado as camisas vermelhas. Isso traz certo desconforto. Vejo gente meio constrangida de usar a camisa amarela, por achar que ela simboliza grupos conservadores.

Mas há multidões de ricos e pobres que não curtem política, não são de esquerda nem de direita e na Copa vestem a camisa amarela, não?
Diria que a seleção e a camisa são símbolos em disputa e eles serão disputados durante esta Copa. Falo em disputa porque elas não são de um grupo, são da sociedade brasileira.

‘HOJE, O PELÉ ESTARIA
INDO EMBORA COM 17 ANOS.
O SANTOS NÃO FARIA 
O QUE FEZ, NÃO SERIA O QUE FOI’

O futebol virou uma indústria multibilionária, e um país pobre como o nosso não consegue segurar seus talentos. A atual seleção é 95% de “estrangeiros” e a ligação do torcedor com os ídolos é uma tela de TV. Como analisa esse fenômeno?
Essa é uma questão crucial. Hoje o poder financeiro é decisivo e o Brasil só entra no jogo como fornecedor de pé de obra, coisa de país subdesenvolvido. Mas há algo novo: esses craques estão indo embora cada vez mais cedo. No passado eles iam para a Europa já na maturidade – e a qualidade técnica do futebol jogado aqui era bem superior à de agora. Milhões, pelo País afora, sabiam de cor a escalação dos 11 titulares da seleção. O que vemos hoje? Gabriel Jesus, agora o Vinicius Jr., saindo tão cedo. Um Pelé hoje estaria também saindo do Brasil aos 17 anos… O Santos não faria o que fez, não teria a história que tem. É algo novo a imensa torcida não saber sequer em que time jogaram aqui Firmino, Marcelo, Daniel Alves, Alisson, se é que algum deles jogou. Não criaram raiz, nenhuma identidade com o torcedor. Impossível compará-los com os Rivellinos, Gersons, Falcões, Zicos e outros que a torcida via toda semana. A atual seleção é nossa, mas é uma coisa distante.

Já se disse que o brasileiro hoje conhece os 11 ministros do STF e não os 11 da seleção.
Basta lembrar o clima pré-copas desde 1958, as de 1982, de 1986… Uma convocação desencadeava polêmicas, bairrismo. Gente dizendo que tinha muitos nomes do Rio e poucos de São Paulo ou vice-versa. Se convocavam alguém do Atlético teriam de convocar um do Cruzeiro também. Os técnicos eram sempre xingados. O Tite hoje anuncia o grupo, não há polêmica. A seleção é desenraizada. E está desenraizada porque nós aceitamos. Existe um certo dogmatismo neoliberal e neocultural e acreditamos que tem de ser assim mesmo, que não podemos fazer nada.

Não é porque o torcedor aceita a lógica da competência e da qualidade, da melhor estrutura e do melhor salário lá fora?
Não, trata-se da lógica do poder do capital. Além da força econômico temos outro fator decisivo, a diferença cambial. Os clubes veem uma tremenda vantagem na hora de vender seus jogadores. E a torcida fica resignada vendo-os indo embora para só revê-los, em nossos estádios, já em fim de carreira.

Como superar essa condição de futebol desenraizado?
Esse fenômeno, o futebol desenraizado, talvez explique o proclamado distanciamento entre torcedor e seu ídolo. E a única saída que vejo pra isso é uma intervenção no mercado. Temos de proteger a qualidade técnica do futebol brasileiro.

De que forma se faria isso?
Por exemplo, taxando para valer essas transferências de atletas jovens. É isso mesmo: medidas de intervenção no mercado. Sem medo de enfrentar o dogmatismo neoliberal que predomina nessas regras. Podia ser uma taxação pesada para venda de atletas de 17 até 20 anos. Aí iria diminuindo, pra zerar a taxa a partir, digamos, de 23 ou 24 anos. Não estou pensando na Lei do Passe, não é cercear o direito do atleta de se transferir e subir na vida. É cobrar o valor potencial do que o outro lado vai ganhar nessas transações internacionais.

Seria algo como proteger o “patrimônio cultural nacional”…
Isso. O talento do atleta é um patrimônio cultural. Sei que estou falando de uma iniciativa polêmica. Mas esse debate é necessário para proteger o futebol brasileiro e os clubes. Não há por que nos curvarmos a uma lógica de mercado desfavorável.

Se o Brasil tomar jeito, virar um país organizado, economicamente forte, poderemos ter clubes capazes de segurar os nossos craques. Inglaterra e Alemanha não têm esse problema de evasão de talentos.
A alternativa de fortalecer a economia e a sociedade brasileira é sempre a fundamental. E a gente tem condições para fazer isso, mas precisaria ter um Tite no lugar de um Temer. Só que o Temer, pelos estragos que vem causando, é a antítese do Tite. Este, além do conhecimento que tem do futebol, é um extraordinário administrador de pessoas. É um tipo de liderança rara, no momento em que temos uma crise tremenda na política, na economia, no Legislativo, no Executivo, no Judiciário…

‘É PRECISO REPENSAR TAMBÉM
O CALENDÁRIO DOS JOGOS, 
OS DIREITOS DE TRANSMISSÃO, O PAPEL
DOS CLUBES E FEDERAÇÕES’

Mas o sr. vê a seleção como um instrumento de transformação do futebol do País?
Não acho que ela venha a ser isso. Essa transformação passaria, a meu ver, por movimentos dos atletas – a propósito, tivemos nos anos 80 um importante, a Democracia Corintiana, com o Sócrates. Hoje temos o Bom Senso. Enfim, acho que esse movimento tem de ser amplo, até dos torcedores. O futebol é um patrimônio, e se queremos preservá-lo precisamos trabalhar para isso.

O que mais deveria ser corrigido, além da questão das transferências dos jogadores?
O calendário dos clubes, cujas temporadas são sazonais. Muitos deles só jogam seis meses por ano, mas têm de pagar salário todo mês. Grandes times do Nordeste vivem à míngua por causa disso. É preciso repensar também o horário dos jogos, os direitos de transmissão, a desigualdade no tratamento dos atletas, o papel dos clubes e federações, que se tornaram instrumentos de poder da cartolagem. Aliás, a gente poderia pensar é na extinção dessas federações, que viraram uma espécie de Arca de Noé onde de refugiam os Del Nero, Marin, Eurico Miranda e outros, muitos deles identificados com a ditadura militar. Eles são um obstáculo às tentativas de implantar transparência e democracia em nosso futebol.