Hedge concreto

Sonia Racy

16 de agosto de 2011 | 23h10

Foi só a Alemanha crescer menos que o esperado para que os mercados, ontem pela manha, desabassem novamente. Consequentemente, houve nova rodada de investimentos no ouro. Afinal, em tempos de incerteza, tudo que reluz mesmo é… o ouro. Até o BC da Coreia, que não comprava o metal havia 13 anos, voltou ao mercado com tudo nesta nova crise.

E quem chega com mais sede ao pote? O BC chinês lidera a listagem, à frente de Índia e Rússia. Dos BRICs, o único que mantém ainda a quantidade de ouro estável, nas suas reservas, é o Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.