Haddad ‘tem condições de comandar’ cruzada do PT, diz cientista político

Sonia Racy

31 Outubro 2018 | 00h55

FERNANDO HADDAD

FERNANDO HADDAD. FOTO: RAFAEL ARBEX/ESTADÃO

Derrotado por Bolsonaro após quatro vitórias seguidas em disputas presidenciais, o PT tem duas missões prioritárias para 2019: viabilizar-se como líder da oposição e fechar seu ciclo interno de mudança, no qual o tamanho de Lula ainda está por se definir.

A avaliação é do cientista político Leonardo Avritzer, para quem a primeira tarefa inclui desafio delicado – tirar Ciro Gomes desse caminho. E a segunda passa por modernizar a legenda.

Assumida a liderança, o que o partido faria? Segundo o cientista político da UFMG, comandaria um embate no Parlamento, e fora dele, contra a reforma da Previdência, contra o teto de gastos e pelos direitos sociais. Pela votação que teve, Haddad tem “condições de comandar essa cruzada”.

Leia mais notas da coluna:
Economia está ‘pronta para uma retomada’, diz Luiz Figueiredo
Doria e Guedes conversam de madrugada