Habemus

Sonia Racy

14 de março de 2013 | 01h05

Se dependesse da comunidade cristã maronita – de São Paulo e do Líbano –, o próximo papa seria o cardeal libanês Béchara Boutros Raï.

Além de ser considerado experiente, contaria a favor de Raï a situação dos cristãos do Egito e da Síria, perseguidos desde a Primavera Árabe.

Habemus 2

A saber: a igreja maronita é associada ao Vaticano, respeita a autoridade papal, mas tem rito distinto do latino. Entre os cristãos, os maronitas são majoritários no Líbano, onde o presidente – por lei – precisa ser adepto dessa religião.

Entretanto, são minoritários no mundo árabe.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: