Guedes admitiu, em encontro, deixar idade do BPC como está

Guedes admitiu, em encontro, deixar idade do BPC como está

Sonia Racy

21 de fevereiro de 2019 | 01h00

PAULO GUEDES. FOTO: ADRIANO MACHADO/REUTERS

PAULO GUEDES. FOTO: ADRIANO MACHADO/REUTERS

No pacote de apresentação da reforma da Previdência aos governadores, ontem em Brasília, chamou a atenção de um deles a abordagem de uma das medidas mencionadas por Paulo Guedes – a nova versão do Benefício de Prestação Continuada. À coluna, esse governador ponderou que o novo BPC “parece mais um bode na sala” – a ser retirado na hora de se fechar um acordo.

Aliás, Guedes até admitiu no encontro deixar o BPC como está, na questão dos critérios sobre idade dos beneficiados.

Nova norma prevê 
benefício aos 60 anos

A reforma em debate prevê um benefício de até R$ 400 para idosos a partir dos 60 anos em condições de extrema pobreza. O BPC atual paga um salário mínimo — hoje em R$ 980 — a pessoas com deficiência ou sem meios de manutenção, a partir dos 65.

 

…………………………

 

Um governador que participou de encontro com Paulo Guedes, ontem cedo em Brasília, ponderou à coluna que uma das medidas do pacote previdenciário, a nova versão do Benefício de Prestação Continuada, “parece mais um bode na sala” – a ser retirado para fechar o acordo. Aliás, Guedes até admitiu, no encontro, deixar o BPC como está, na questão da idade.

Na reunião, segundo um dos presentes, Guedes admitiu mudar o valor do BCP, ao menos em relação à idade do pagamento integral que hoje é feito a partir de 65 anos para o valor do mínimo. Pela proposta, essa idade passaria para 70 anos.

Leia mais notas da coluna:
Governo monitora críticas à reforma, nas redes, e responde no ato
Bebianno ainda consta como advogado de Bolsonaro em ação

Tudo o que sabemos sobre:

reforma previdenciáriaPaulo Guedes

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: