Guarda sem troca

Sonia Racy

31 de maio de 2016 | 01h40

Waldir Maranhão sentou em cima do pedido para declarar vaga a presidência da Câmara após afastamento de Cunha. Em duas semana, não proferiu sequer uma negativa para que os deputados o contestassem.

E sem se declarar a vacância, não tem nova eleição.