Grupo de pais de alunos do colégio St. Paul’s se revolta com a presença da mulher de A.J. Vilela

Sonia Racy

08 de novembro de 2017 | 00h30

Grupo de quase 100 pais e mães de alunos do St. Paul’s School estão em plena campanha para tirar uma funcionária responsável pela área de TI do colégio e… mulher de Antônio José Junqueira Vilela Filho, conhecido como A.J. Vilela.

O pecuarista foi denunciado na operação Rios Voadores, acusado de fazer parte de esquema de grilagem de terras, desmatamento ilegal, trabalho escravo, entre outros.

Pedem também que os filhos gêmeos do casal Vilela não entrem ou frequentem a escola.

Razão? “Teremos que nos deparar com A.J. nos eventos do colégio”, explica uma das mães, que prefere ficar incógnita. “Como um colégio tão cheio de regras permite funcionária casada com um desmatador?”, questiona outra mãe, que também prefere não revelar o nome.

Entre as chamadas ‘golden rules’ da escola está o programa Eco Warriors – em que as crianças são estimuladas a defender a ecologia e até supervisionar as atitudes dos outros na escola. “Entende a contradição?”, pergunta mais uma mãe, aflita.

Essa coluna telefonou por quatro dias consecutivos para o St. Paul’s School buscando posição sobre o assunto. Britanicamente, preferiram não se pronunciar.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: