Grupo de Haddad espera ‘juiz moderado’ para julgá-lo no TRE

Sonia Racy

27 de agosto de 2019 | 00h40

.

FERNANDO HADDAD

FERNANDO HADDAD. FOTO: PAULO GIANDALIA/ESTADÃO

Haddad 2022

A expectativa no entorno do ex-prefeito Fernando Haddad, condenado pela Justiça eleitoral em 1° instância por crime de caixa 2, é que seu julgamento no TRE paulista aconteça só no 1° semestre do ano que vem.

Se condenado em 2° instância o petista ficará inelegível, o que abalaria profundamente os planos do PT para 2022.

Haddad 2

Até lá, o desembargador Cauduro Padin, considerado linha dura, terá deixado a presidência do TRE. Será sucedido por Nuevo Campos, tido pelo PT como “moderado”.

No partido, a avaliação é que a sentença da 1° instância é frágil, mas o TRE pode fazer julgamento político para mandar recado à opinião pública.

Sem plebiscito

A base do governador mineiro Romeu Zema na Assembleia Legislativa tentará revogar um ponto polêmico de Constituição do Estado: a obrigação de promover plebiscito antes de privatizar suas estatais. A ideia é acelerar o processo de venda da Cemig, Copasa e Codemig.

A oposição, claro, promete pegar em armas

Plebiscito 2

Em defesa do governador, a deputada Laura Serrano, também do Novo, entende que “a situação das contas do Estado exige rapidez e as privatizações estavam no plano de governo. Ou seja: a população já deu o aval”.

Apagando o fogo

Na contramão da barulheira geral sobre a Amazônia, Rubens Barbosa cita dois episódios importantes da sexta-feira. Na França, lembra o embaixador, o G-7 deixou claro que não quer atritos, que vai rever com cautela o acordo Mercosul-União Europeia e que aprova a ajuda financeira à região amazônica.

Horas depois, no Brasil, Bolsonaro falou, na TV, “em combate firme às queimadas, citando medidas contra o garimpo ilegal e o desmatamento”.

Sob nova direção

Gabriella Dorlhiac é a nova diretora executiva da International Chamber of Commerce Brasil. É a primeira mulher a ocupar a direção da ICC Brasil.

Assume em hora importante, pela assinatura do acordo Mercosul-União Europeia e pela possibilidade de novos tratados comerciais.

Direto das redes

Depois de muitas críticas de outras mulheres, Rosângela Moro apagou em seu Instagram a foto em que dizia que estava esperando Sergio Moro para jantar. Na legenda ela adicionou: “Sorry, feministas”.

Entre as reações, Antonia Pellegrino, mulher de Marcelo Freixo, afirmou: “Você vai fazer muito bem ao marido se entender melhor o que é feminismo”.

Redes 2

Não é a primeira vez que a mulher de Moro apaga posts no Instagram. Em janeiro ela retirou uma foto na qual pedia que os brasileiros parassem de fazer “mimimi” e criticar Bolsonaro.

Redes 3

Feministas brasileiras puxaram movimento de apoio à mulher de Emmanuel Macron. A hashtag #desculpaBrigitte viralizou no Twitter com o vídeo do líder francês dizendo que a postura de Bolsonaro foi “triste”.

Erêndira vem aí

O produtor Luque Daltrozo que comprou os direitos da obra Cândida Erêndira, de Gabriel Garcia Marques, faz sua estreia dia 4, no Sesi da Paulista. Giovana Cordeiro vai protagonizar a heroína da história – que terá músicas originais compostas por Chico César.

Leia mais notas da coluna:
+‘Não é esquerda ou direita, é um tema ético’, diz Covas sobre causa ambiental
+Multa da Bolsa à XP deixa mercado intrigado

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: