Greve acende sinal laranja no Planalto

Sonia Racy

28 Abril 2017 | 00h45

Interlocutores do Planalto admitiam ontem que o sinal não era vermelho mas passava um pouquinho do amarelo, na equipe de Temer, a respeito da paralisação de hoje.

À tarde, técnicos já monitoravam “com atenção” as redes sociais e áreas sensíveis da segurança, no Palácio e no Ministério da Justiça.
A preocupação maior era quanto ao reflexo que os protestos possam ter nas futuras votações das reformas trabalhista e previdenciária.

Sinal 2

Na oposição, a Executiva nacional do PT fazia outra conta: se o movimento mostrar fôlego, abre espaço para melhores estratégias, no Congresso e no partido.

A moda pegou

Depois do Colégio Santa Cruz, a Federação das Escolas Waldorf do Brasil divulgou no WhatsApp seu posicionamento sobre a paralisação de hoje. A escola não vai parar suas atividades.

Segundo o texto, a Waldorf “tem por princípio receber as famílias, independente de suas posições políticas e religiosas” e o melhor modo de fazer isso é “manter a regularidade de funcionamento”.

Quem venceu

A Secretaria da Cultura anuncia hoje os vencedores do Programa de Fomento ao Cinema Paulista. O investimento total é de R$ 4,5 milhões.

Escolhidos? Entre os longas, Agreste, de Sérgio Roizemblit; Viagem ao Centro da Terra, de Guilherme de Almeida Prado; Adeus ao Comandante, de Sérgio Machado; Prisioneiro da Liberdade, de Jeferson De; e O Caso Morel, de Susana Amaral.

Entre os documentários, Fotografação, de Lauro Escorel e A Ponte de Bambu (Brasil-China), de Marcelo Machado.