Secretário faz balanço de controle de dengue e febre amarela

Sonia Racy

01 de fevereiro de 2017 | 00h45

Foi para mais de 500 secretários de prefeituras do Estado que David Uip falou em reunião, anteontem, no Centro Rebouças – para contar a quantas andam os surtos de dengue, chikungunya e zika.

Os casos de dengue diminuíram 76% no ano passado em comparação a 2015. E o índice de casos fatais, 80%.

Caça 

E a febre amarela? Em SP, informou o secretário, está se fazendo uma ação preventiva – o bloqueio das regiões que possam ser afetadas. O que é feito de duas maneiras: por vacina em áreas vulneráveis e via operações mata-mosquito e análise nas matas para saber o tipo de vírus.

“Na vacinação, ficam de fora os que tiverem mais de 60 anos, os recém-nascidos e os imunodeprimidos”, disse o secretário.

Por quê? Porque, em certos casos, a vacina pode causar febre amarela.