God com inveja?

Sonia Racy

11 de agosto de 2012 | 01h09

Com bom humor, Márcio Thomaz Bastos explicou, quarta-feira, como sabe se o desempenho de seus colegas foi bom ou não: “Tenho um medidor psicológico. Quando começo a ficar com inveja é porque o sujeito está indo bem”.

Foi o que o ex-ministro confessou ter sentido ao acompanhar, no plenário do STF, o desempenho de Maurício Campos Junior, defensor de Vinicius Samarane, do Banco Rural.

Tendências: