Fux podia ter liquidado caso, dizem juristas

Sonia Racy

18 de janeiro de 2019 | 01h00

LUIZ FUX, DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

LUIZ FUX, DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. FOTO: DIVULGAÇÃO

Enquanto corria solta ontem a polêmica criada por Luiz Fux ao mandar interromper as investigações envolvendo Flávio Bolsonaro no Rio, dois experimentados juristas ponderaram à coluna: o ministro, que faz plantão no STF até dia 29, tinha em mãos elementos suficientes para resolver o caso sozinho.

Ou seja, sem jogá-lo para Marco Aurélio Mello avaliar a partir de fevereiro.

Outra fonte lembrou à coluna detalhe importante: em maio Fux votou integralmente a favor do parecer de Luiz Barroso, no STF, segundo o qual o foro só vale para crimes cometidos no exercício de mandato – e relacionados ao cargo. Acatar o pedido de Flávio, nos termos em que foi feito, não faria sentido. Ele assume como senador no dia 1.º de fevereiro.

Leia mais notas da coluna:
+ Empresa de armas fatura com alta procura
Ministro reavalia cinco anos de multas do Ibama