Fora, fênix

Sonia Racy

05 de novembro de 2010 | 10h24

Paulo Skaf, da Fiesp, principal articulador da morte da CPMF, tem certeza de que Dilma não ressuscitará o tributo. Apesar da presidente eleita ter se posicionado a favor da abertura de um processo de discussão com governadores defensores da ideia.

É o que ele deduz de recentes conversas com a vencedora do processo eletivo. “Ela me disse que quer colocar em votação, logo no começo de seu mandato, a reforma fiscal e tributária. Portanto, não vai precisar da CPMF.”

A reforma fiscal aprovada é sonho possível? “É e está próximo”, otimiza o dirigente da federação, alertando para o fato de que Dilma sabe que a sociedade não receberia bem a ideia de mais impostos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: