Foi ali…

Sonia Racy

29 de março de 2013 | 01h11

As estrelas da noite, anteontem no Credicard Hall, foram Marcelo Adnet e Ronaldo, mas um dos mais requisitados no coquetel pré-show da Globo – que anunciou a programação de 2013 – foi Silvio de Abreu. O autor de Guerra dos Sexosconfessou que não vem levando as críticas na esportiva: “A gente tem milhões de brasileiros para entreter e os ‘caras’ querem que as novelas sejam teses abertas… Tenham dó!” Para ele, o sistema de classificação da TV é “uma porcaria”.

Enquanto isso, Marisa Orth e Ingrid Guimarães eram pura alegria. As duas estão na próxima novela das sete, Sangue Bom, de Maria Adelaide Amaral. Marisa garantiu estar adorando sua nova personagem, “uma rica grossa e patética”. “É um número triste”, ironizou. E a festa de hoje? “Papo reto.”

Ao lado, Wolf Maia concordou: “É uma chance excelente para atores, diretores e anunciantes se encontrarem para conversar, tomar um whiskinho, comer uns canapés… Aliás, a cadeia alimentar inteira está aqui”.

Entre um camarão e outro, Washington Olivetto falou sobre o documentário que Maurício Eça está dirigindo sobre sua vida. O título vai ser mesmo A Primeira Campanha a Gente Nunca Esquece? “Eu gosto, mas não está definido”. Deve ficar pronto em 2014.

Holofotes acesos, Tony Ramos adentrou o salão. E falou sobre como encarnará Getúlio Vargas para longa de João Jardim: “Estou apaixonado pelo roteiro. Vou ter de raspar a cabeça (usará peruca) e treinar postura”, explicou. “Começamos a rodar em maio”. O filme narrará os últimos dias do ex-presidente.

Pertinho, Grazi Massafera era um misto de emoção e preocupação. A protagonista de Flor do Caribe deixou Sofia, sua filha de 10 meses, no Rio com o pai, Cauã Reymond. “Quero voltar ao hotel para carregar o celular e falar com ela”. Como é a dupla jornada de atriz e mãe? “Nada fácil… mas nenhum sonho é, né?”

Pouco antes da entrada do Olodum no salão, J. Hawilla conversava com alguns amigos sobre a nova contratação da Globo, Ronaldo, que comentará a Copa das Confederações e o Mundial de 2014. “Ele tem história para contar… e moral para cobrar”. Questionado a respeito das gravações que abalaram Marin, fez cara de espanto. Depois, completou: “Espero que ele tenha uma boa explicação”. /DANIEL JAPIASSU

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: